segunda-feira, 1 de setembro de 2008

A cabeça doente de Korine, ou comparando e relacionando: De Gummo à Ken Park.

O texto de hoje é sobre esse cara aqui:
O Harmony Korine.
A foto está um pouco desatualizada, mas vamos lá. Vamos falar do Harmony Korine.
Korine é um jovem cineasta norte-americano, com seus apenas 35 anos de idade tem no currículo filmes que sempre, e eu digo sempre, vão dar o que falar. Aos 19 anos ele escreveu Kids, que foi rodado em 1995 e marcou minha infância. Até hoje me lembro de como o filme acaba e de como fiquei incrédula. Sua estréia como diretor veio em Gummo de 1997, que eu só vi semana passada. Ele ainda participou do Dogma95 com o Julien Donkey Boy de 1999, também conhecido como Dogma#6. Esse eu não pude ver porquê não foi lançado no Brasil (mas que por aí tiver ou souber onde achar e quiser me mandar eu super aceito!). Como roteirista ele ainda escreveu Ken Park, de 2002 e que eu vi ano passado ou em 2006. Ken Park tem uma linguagem bem diferente de filmes que vemos por aí.
E é disso que eu quero falar, especificamente: de linguagem. Da linguagem do Korine, da narrativa desse jovem roteirista.
Quando eu assisti Ken Park foi quase como um baque. As personagens eram como eu nunca tinha visto antes. Plácidas e cheias de problemas... eram problemas que vivenciamos ou presenciamos quase que diariamente, mas de forma caricaturada. Eram meus pequenos problemas e minhas pequenas vivencias potencializados mil vezes. É o típico filme da vida real que você assiste e diz no final "ah, isso não acontece". Mas acontece.
A história desse filme se desenrola a partir de um acontecimento que faz parte da vida das personagens, mas que passa. Esse acontecimento marcante se apaga na vida delas. E como se isso nunca tivesse acontecido elas são apresentadas a nós por um narrador. O narrador não é o mesmo a história inteira, ele é revesado entre as próprias personagens que vão se apresentando entre si. As vivências das personagens seguem uma ordem cronológica, mas não é possível dizer quanto tempo se passa naquele mundo. A gente não é capaz de dizer por quanto tempo acompanha aquelas pessoas. A história beira o tédio e beira o inesperado, o filme beira o incômodo. Quem são aquelas pessoas? Que histórias são essas? Por quê eu to assistindo esse filme, afinal?
E então o filme acaba.
Semana passada eu consegui assistir ao Gummo e a história foi incômoda. Me cansei na metade, quis desistir, não sabia o que ia acontecer, não sabia se iria aguentar até o final, não sabia mais porquê estava vendo tudo aquilo. Quem eram aquelas personagens? O que se passa em Xênia, Ohio? Quem era aquele narrador? Era o mesmo narrador? Aquilo não acontece na vida real, ninguém é assim...
E então eu reparei que tinha muito de Ken Park em Gummo. Não, Péra! Tem muito de Gummo em Ken Park.
O surrealismo de Gummo se tornou uma idéia muito bem trabalhada em Ken Park. Eu entendo e aceito quem não gosta de Ken Park, não é isso que estou discutindo aqui. Não estamos falando de gostos e sim da evolução da linguagem que o Harmony Korine usa nesses dois roteiros. Ele conseguiu aproximar essa desconstrução de imagens da realidade, tornando todas as suas personagens caricaturais em algo palpável, com rítmo e alma.
Talvez Gummo seja para ficar distante do espectador mesmo, afinal... onde é Xênia, Ohio?
Isso eu não posso responder, mas posso apontar que é impossível assistir a esses dois filmes desse talentoso roteirista (e não tem essa de gostar ou não dos roteiros dele, o cara é bom mesmo), e não estabelecer a clara relação. A estrutura é a mesma e tá ali para qualquer um ver. Ver e apreciar.
É gostoso reparar em coisas pequenas como essa, consumir filmes com atenção e conseguir fazer ligação de uma obra à outra de algum roteirista ou diretor. Recomendo ambos filmes, não para deleite pessoal, mas sim pra bagagem cultural porque vale a pena. Mesmo.

4 comentários:

jackie disse...

ele tem um olhar lindo

nunca vi nenhum dos dois ainda
:*

paula davies disse...

não gostei mt de ken park... não me lembro mais, vi numa mostra de cinema há tempos atrás, mas lembro que achei forçado e exagerado. até entendo essa questão da problematização e bla bla bla, mas acho que as vezes se confunde com sensacionalismo barato. tipo o dançando no escuro, do von trier. eu adoro, mas entendo completamente quem acha que exagerou e descambou... é uma linha tênue

Tatty disse...

UIA! Futura designer se apresentando pra te adotar! Será meio estranho ter uma "filha" 1 ano mais nova... mããããs, pelo menos não ficarei pra tia! \o/

Seguintche, ando um pouco enferrujada com web e ainda tenho a facool pra me encher de trabalho, mas se vc quiser (e não tiver pressa), a gente conversa por "um layout mais bonito"! :D

mail: tattymamprin@gmail.com

Yasmin B. disse...

Caramba, ele parece ser genial!
Aliás, estou estudando na faculdade sobre os tipos de narração e fiquei muito interessada quando li a parte:
"O narrador não é o mesmo a história inteira, ele é revesado entre as próprias personagens que vão se apresentando entre si.".
Caramba! Fenomenal!
Adorei o blog em si. :-)
Beijos.